“Dentro de The Greatest Showman, o musical mais mágico do ano”

14 de Agosto de 2017

Leiam em baixo a tradução do artigo publicado pela revista Vogue sobre o filme The Greatest Showman:

Apesar de Phineas Taylor Barnum aventurar-se na política, nos jornais e no negócio da loteria, entre muitas outras profissões mais ou menos salutares, durante o curso da sua carreira altamente colorida, ele se declarou “um homem do espectáculo” por profissão, acrescentando que “todo o dourado não fará mais nada de mim”.

Para o diretor Michael Gracey, a força por detrás da visão do coração gigante de The Greatest Showman, “Barnum era o Steve Jobs ou o Jay Z do seu tempo, o empresário original, o homem do espectáculo original”. Barnum começou a sua carreira no mundo do espectáculo em 1835 – sem querer, promovendo um octogenário afro-americano cego e severamente paralisado como enfermeiro de George Washington, com 161 anos de idade, para um público crédulo e pagador – e ele morreu em 1891. Ele teve sucesso ao pressionar que um jornal publicasse o seu obituário algumas semanas antes – para que ele pudesse lê-lo.

Quem melhor para retratar essa força da natureza do que o absurdamente carismático Hugh Jackman? “É a peça de paixão do Hugh”, diz Gracey. “Ele defendeu este filme”. Os dois conheceram-se há oito anos, quando Gracey estava a filmar um anúncio no Rio de Janeiro com Jackman. Gracey ganhou o projeto quando os clientes assumiram que, como colegas australianos, ele e Jackman devem ser amigos – e no final das filmagens eles fizeram amizade. “Nós acabamos por nos juntar de forma criativa”, recorda Gracey, tanto assim que Jackman sugeriu que eles fizessem um filme juntos.

“Na euforia de uma festa envolvente”, Gracey observa com ironia, “todas as celebridades dizem isso”. Vários meses depois, Jackman realmente pediu para dar seguimento à sua promessa. Embora Barnum tenha nascido para uma família agrícola modesta em Betel, Connecticut, a sua ambição e talento “levaram ao nascimento da América moderna”, como Jackman explica: “esta ideia de que poderias ser quem tu queres ser, que não importa de onde tu vens ou em que escola andaste. Barnum usou muito a imaginação e muito a vontade e espírito mongo”.

Barnum também “contribuiu para a invenção do mundo do espectáculo”, diz Jackman, e criou a ideia da super estrala moderna sob a forma da soprana Jenny Lind, “The Swedish Nightingale”, cujos serviços ele assegurou por um assombroso $ 1.000 por um concerto para 93 desempenhos de venda. Os instintos promocionais de Barnum garantiram que Lind fosse uma celebridade mesmo antes de pousar nas costas americanas em 1850: cerca de 30 mil fãs estavam lotados nas docas para cumprimentá-la. A santa Lind – uma mulher que, segundo Barnum, teria dito, “teria sido adorada se tivesse tido a voz de um corvo” – usou os seus ganhos para financiar projetos de caridade. Mas o Showman’s Lind, interpretada por Rebecca Ferguson, é uma personagem mais complexa, e Ferguson acrescenta nuances ao complicado relacionamento profissional e romântico da cantora com Barnum no filme.

Um romance paralelo, a desafiar um conjunto diferente de tabus, é retratado por Zac Efron, como o protegido de Barnum e uma atraente jovem, interpretada por Zendaya. “Esta rapariga é o verdadeiro negócio”, diz Gracey. “Ela vai ser uma super estrela absoluta”. Jackman, que adivinha momentaneamente que foi sintonizado com Zendaya pela sua filha, a chama de “uma das jovens mais incríveis que já conheci”.

Efron, entretanto, conheceu Gracey numa reunião há vários anos antes do início oficial do projeto, e eles permaneceram amigos. O ator estava sentado no trânsito quando Gracey lhe ligou para dizer-lhe que achava que ele finalmente tinha um papel para ele. “Eu queria encostar na 405 e sair do carro para dançar”, ele lembra, e no filme ele faz exatamente isso.

Efron observa que a sua personagem “viveu as regras”. Quando conhece Barnum, no entanto, e então a artista de circo de Zendaya – num momento eletrizante de câmara lenta – a sua vida se transforma e ele experimenta um “tipo de satisfação que não é monetário, não está conectado ao status e não pode ser entregue a ti. É alegria interior. “

Quando Gracey era criança, a sua mãe, Lorenda, levou-o a ele e aos seus irmãos a todos os musicais que vieram para a cidade em Melbourne. A Sra. Gracey manteve um quarto de reposição onde os espectadores eram bem-vindos para ficar. “Era uma lenda urbana”, lembra-se o filho, “acomodação grátis e uma refeição quente à tua espera!” As noites de Gracey costumavam ser passadas a cantar músicas de espectáculos.

Mas tentar lançar um musical num clima cinematográfico orientado para as sequelas era “um engano”, diz ele. “Há uma grande parte da audiência do cinema que simplesmente não vai para um musical, então há nervosismo”, explica Jackman. “E nós estávamos no fim do orçamento – quero dizer, este é Barnum; Tu precisas superar o topo!”

Mas depois de sete anos e uma centena de lançamentos, Gracey encontrou parceiros entusiasmados na 20th Century Fox, e a busca de um compositor estava em frente. Muitos dos nomes dos compositores foram considerados, mas aconteceu que Benj Pasek e Justin Paul, frescos da sua deliciosa e retro classificação do Tony para a adaptação de A Christmas Story de 2012, se retiraram para Los Angeles para trabalhar nas músicas de um dos seus próximo musicais, Dear Evan Hansen. Enquanto lá, eles se encontraram com Gracey, e o casal ficou cativado pela sua narrativa. “Ele pode vender-te uma visão de uma maneira tão linda”, diz Paul, que cresceu perto do Museu Barnum em Connecticut e recentemente encontrou um projeto de escola primária do empresário no porão dos seus pais. “Ele contou-nos uma história que ele queria criar – e por que seria um musical”. Os escritores correram para casa para trabalhar em duas músicas antes que Gracey fosse para Londres dias depois.

O diretor estava convencido e, para ajudar a iluminar o envolvimento desses talentosos talentos, ele disse aos executivos do estúdio que Pasek e Paul “acabaram de ganhar um Tony”. A pequena mentira branca de Gracey foi profética: depois, eles ganharam não apenas um Tony (por Dear Evan Hansen), mas um Globo de Ouro e um Oscar (por La La Land). “A ideia de Michael era que o material musical seria tão precioso e provocador como o próprio guião”, diz Efron.

“A música é uma mistura de teatro musical e pop, e a coreografia mistura elementos contemporâneos e clássicos”, observa Gracey, e ele queria que a estética do filme refletisse isso. Para este fim, ele trabalhou com o designer de produção Nathan Crowley, o maestro de iluminação Seamus McGarvey e a estilista Ellen Mirojnick para criar um look Pop-Steampunk que não era fiel a nenhum período específico. Crowley canalizou a paixão de Barnum pela inovadora tecnologia e arquitetura da sua era: o trem elevado, as primeiras experiências de Nikola Tesla com a iluminação sem fio, a grande estrutura de vidro e ferro do Crystal Palace. As ruas tradicionais, Great Expectations foram abandonadas por “combinações de cores modernas” que superaram “a lacuna entre o nosso musical fictício” e o período de Barnum, diz Crowley.

Em várias áreas, a estrutura da década de 1940 tinha sido transformada milagrosamente no museu de maravilhas de Barnum: uma carruagem ferroviária bem decorada, um pub evocativo, um dormitório de escola feminina e até mesmo uma paisagem urbana miniaturizada do antigo Manhattan. Nas sombras, as paredes de tijolos foram rebocadas com cartazes corajosos anunciando as maravilhas lá dentro. Mesmo os estojos de maquilhagem estavam envolvidos em embalagens de aparência vitoriana.

Como Mirojnick se lembra, Gracey também insistiu em ignorar a autenticidade histórica restritiva e, em vez disso, criar trajes com “a panache de um ótimo editorial de moda”. Mirojnick “queria isso em sincronia com a fabulosa música moderna – Zendaya tem cabelo rosa, por amor de Deus!” Para ajudar a criar isso, Mirojnick aproveitou a ajuda do mestre tailor Birta Gábor em Budapeste e peças da Marchesa, Reem Acra e até Kleinfeld loja de noivas. E com muitas das grandes lojas de fantasias da Broadway amarradas com produções épicas (incluindo o Hello, Dolly!).

O horário de ensaio foi duas vezes maior do que muitos, de modo que “para todos os envolvidos”, explica Gracey, “tornou-se um projeto de paixão”. Depois da Election Night, o filme mudou subtilmente. “Começou como um filme sobre o poder da imaginação para um sobre nunca desistir dos teus sonhos”, diz Jackman. “Ele cresceu numa ideia mais profunda do que o que o que te torna diferente faz de ti especial. É um privilégio incrível de fazer um filme sobre inclusão e aceitação”, acrescenta Gracey.

Uma das músicas – “This Is Me” – ajuda a transmitir esta mensagem. Começou, como se lembra Pasek e Paul, como “uma pequena canção” cantada com um acompanhamento de banjo por “as estranhezas”, a tribo não convencional de artistas de Barnum. A meio do caminho para o processo de produção, Gracey perplexo com os compositores, disse-lhes que queria transformar esta música a música definitiva do filme – um número feroz e vulnerável realizado pela Bearded Woman, a estrela da Broadway, Keala Settle. “Ela bebeu um pouco de uísque” antes de executá-lo para a audição, lembra Jackman; Então ela “apresentou-se com lágrimas a escorrer pelo rosto”. Eu vi-a a entregar a música uma e outra vez, levantando o tecto de Brooklyn.

Para membros do elenco e da equipa, estes momentos de afirmação vieram em vários pontos. Mirojnick, que tinha tempo limitado para se preparar, encontrou-se “movendo-se na mesma velocidade” que as filmagens. “Foi um processo inspirador, e, embora nunca tenha tido esses obstáculos para saltar antes, eles estavam a ser libertadores”.

O avanço de Mirojnick chegou pela primeira vez quando Jackman vestiu o seu traje de leme, criado pelo maestro tailor D. Barak Stribling. “Ele tornou-se na personagem”, lembra. “Ele é uma força imparável”, acrescenta Efron. “Então, quando misturas essa paixão com Michael Gracey, a magia começa”.

Publicado por: Juliana
Categorias: Artigos, Filmes, Greatest Showman, Notícias
comentários

“Baby Driver” passa “Baywatch” no Box Office português

7 de Agosto de 2017

Artigo publicado por IGN:

Baby Driver: Alta Velocidade entrou diretamente para o primeiro lugar do box office nacional, ultrapassando Baywatch: Marés Vivas nas preferências dos portugueses durante o último fim-de-semana.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas registou uma acentuada queda para o quinto lugar, depois de na semana passada ter estreado diretamente para a segunda posição.

Carros 3 manteve-se no terceiro posto, a terceira semana consecutiva que a aventura da Disney se mantém no pódio. Podem conferir a lista dos 10 mais requisitados pelos portugueses nas salas de cinema.

  1. Baby Driver – Alta Velocidade – € 161.751
  2. Baywatch: Marés Vivas – € 145.031
  3. Carros 3 – € 117.952
  4. Gru – O Maldisposto 3 – € 99.632
  5. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas – € 97.846
  6. Dunkirk – € 95.446
  7. De Braços Abertos – € 68.562
  8. Assalto ao Shopping – € 25.395
  9. Planeta dos Macacos: A Guerra – € 24.320
  10. Homem-Aranha: Regresso a Casa – € 22.767
Publicado por: Juliana
Categorias: Artigos, Baywatch, Filmes, Notícias
comentários

“Baywatch: Marés Vivas” na frente do box office português

31 de Julho de 2017

Artigo publicado por IGN:

O fim-de-semana de estreias em Portugal foi dominado por Baywatch: Marés Vivas, que subiu da segunda para a primeira posição, depois de na passada semana ter sido suplantado por Carros 3.

O filme do Luc Besson, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, entrou diretamente para a segunda posição, com € 178 mil de box office, atirando Carros 3 para o terceiro lugar. O mais recente filme do realizador Christopher Nolan, Dunkirk, caiu de terceiro para quarto, passando de € 243 mil para € 162 mil de box office.

De seguida, podem conferir o Top 10 dos filmes mais rentáveis nos cinemas nacionais:

1. Baywatch: Marés Vivas – € 219.731
2. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas – € 178.372
3. Carros 3 – € 177.089
4. Dunkirk – € 162.719
5. Gru – O Maldisposto 3 – € 124.579
6. Planeta dos Macacos: A Guerra – € 62.495
7. Olha Que Duas – € 46.619
8. Homem-Aranha: Regresso a Casa – € 41.576
9. Tal Pai, Tal Mãe 2 – € 9.323
10. Lady Macbeth – € 7.386

Publicado por: Juliana
Categorias: Artigos, Baywatch, Filmes, Notícias
comentários

“Baywatch” e “Carros 3” em renhida luta pela liderança da box-office

30 de Julho de 2017

Artigo publicado por Notícias ao Minuto:

Um conta com pequena vantagem no número de espectadores, o outro leva pequena vantagem na faturação.

A última semana de bilheteiras (entre 20 e 26 de julho) trouxe-nos uma acesa disputa pela liderança.

Carros 3, filme de animação a cargo da Pixar, travou acesa luta com Baywatch: Marés Vivas, filme de Seth Gordon que dá um tom mais cómico à série que se popularizou nos anos 90.

Baywatch assumiu a liderança nas bilheteiras no que a faturação diz respeito: Foram 491.146 euros de faturação, contra os 478.360 euros que Carros 3 faturou nesta semana. Curiosamente, no que ao número de espectadores diz respeito, mantém-se uma ligeira vantagem, mas agora favorável a Carros 3. Na semana em causa, Carros 3 foi visto por 97.962 pessoas no grande ecrã, ao passo que Baywatch foi visto por 96.561.

Em terceiro lugar, e a fechar este pódio de bilheteiras, surge Dunkirk, de Christopher Nolan, que até ao final a última quarta-feira tinha sido visto por 62.744 espectadores.

Publicado por: Juliana
Categorias: Artigos, Baywatch, Filmes, Notícias
comentários

O que dizem os críticos portugueses sobre “Baywatch”?

19 de Julho de 2017

Reunimos nesta publicação dois artigos escritos por críticos portugueses sobre o filme Baywatch: Marés Vivas. Leiam em baixo as críticas:

“Baywatch: Marés Vivas” está de volta num remake que conta com um elenco bastante popular, onde se destacam Zac Efron e Dwayne Johnson. Apesar de se se enquadrar no portefólio de Zac Efron, numa combinação entre “Má Vizinhança” e o “Um Avô Muito à Frente” com um toque de praia, é Dwayne Johnson (o novo Mitch Buchannon) quem consegue a prestação mais coerente ao longo do filme.

Sempre num tom leve e animado, o filme assenta num enredo simples que faz-nos questionar como consegue ter quase duas horas de duração. Os corajosos nadadores-salvadores Emerald Bay (Flórida) – na série televisiva a praia era em Los Angeles (Califórnia) – decidem não só salvar pessoas, como destruir os negócios de Victoria Leeds (Priyanka Chopra), chefe de uma organização criminosa de tráfico de droga.

Assistimos a menos cenas de acção do que podíamos esperar, que são acompanhadas por efeitos visuais muito pouco conseguidos (talvez seja a parte mais cómica do filme). As cenas de comédia acabam por dominar o filme, sendo que os cameos e alguns gags são diluídos nas excessivas referências de Pop Culture e piadas menos conseguidas.

A classificação etária de “R-Rated” (maiores de 17 anos) vai de encontro ao público que assistiu à série, onde voltamos a assistir a várias câmara lenta – quem não se recorda da Pamela Anderson a correr pela praia – e a cenas que não deixariam outra margem para uma classificação etária mais baixa.

Mesmo assim, tal como Baywatch cativava as pessoas durante o verão, este filme poderá ter algum sucesso no cinema neste Verão, mas será acima de tudo aposta na TV durante as próximas épocas balneares.

No fim, segundo Dwayne Johnson, se o público passar um bom momento não há críticas que o mandem a baixo.

Confere o artigo original ao clicar aqui.

Numa era em que a nostalgia é utilizada como combustível para uma indústria cinematográfica cada vez mais orientada para a produção em massa de sucessos seriados, era inevitável surgir uma nova versão de Baywatch, projeto televisivo dos anos 80 e 90 que sobrevivia de dois elementos: o corpo escultural das atrizes e o tom “camp” dos enredos e personagens masculinas.

Mas se o objetivo aqui era replicar no cinema a fórmula de sucessos recentes como Agentes Secundários (21 Jump Street), também ele uma adaptação de uma série de culto, o resultado fica mais próximo de um American Pie 5 nas praias californianas com um subenredo policial pateta, do que do filme baseado na série que Johnny Depp protagonizou na década de 80, e que conseguiu sobreviver por si só em duas fitas mais ou menos conseguidas.

Os primeiros minutos destas Marés Vivas mostram isso mesmo. Aos corpos das meninas e meninos que deambulam pelo grande ecrã de forma exploratória, o filme apresenta o slow motion e a forma videoclipe de marca para cativar através de uma nostalgia kitsch a geração que acompanhava a série. Porém, quando chegamos aos textos (fraquíssimos), à linguagem cinematográfica (banal) e às personagens (pouco carismáticas e irrelevantes), o filme assume-se totalmente orientado para uma audiência adolescente moderna, acabando por descambar na típica estrutura de filme de liceu, aqui trasladado para uma praia, onde não faltam os nerds, os populares, e mensagens politicamente corretas de perseverança e responsabilidade.

Repare-se nas personagens de Jon Bass, um totó apaixonado pela nova CJ Parker (Kelly Rohrbach), ou de Zac Efron, uma estrela caída em desgraça que tem de aprender a trabalhar em equipa. Depois temos The Rock, numa fórmula padronizada de herói humilde que tanto funciona aqui como em quase todos os seus filmes de ação, como o recente San Andreas. E olhe-se com atenção para o desastre que é a vilã de serviço, Priyanka Chopra, ou para a forma imbecil como a policia é aqui tratada.

Se Baywatch, a série, era um entretenimento escapista domingueiro sem grandes pretensões (como quase todas as séries do género da sua década), Baywatch (o filme) acaba por não ser nada, pois nunca funciona nem sabe o que quer ser: é uma comédia? Um filme de ação? Um policial com elementos dos dois? Nada. A única coisa que o filme sabe que quer ser é um blockbuster de verão.

Assim, estamos perante um verdadeiro desperdício de tempo e dinheiro e se procuram aqui algo de novo com o mínimo charme ou piada, então há certamente outras coisas melhores para fazer. Como ir à praia.

Confere o artigo original ao clicar aqui.

Publicado por: Juliana
Categorias: Artigos, Baywatch, Filmes
comentários

RESULTADOS PASSATEMPO: Antestreia “BAYWATCH: MARÉS VIVAS”

10 de Julho de 2017

O passatempo para a antestreia do filme Baywatch: Marés Vivas foi finalizado, lembramos que este passatempo oferecia 5 convites duplos para os Cinemas NOS do Colombo, Almada Forum, Cascais Shopping e Gaia Shopping, a fim dos vencedores assistirem à antestreia do filme a 11 de julho, na sessão das 21h30.

Cinemas NOS Colombo
  • Anabela Maria Ferreira Dias Leitão
  • Ricardo Manuel Bandeira Santos
  • Inês Carvalho Antunes
  • Ana Laura Ferreira de Freitas
  • Mariana Filipe Mastbaum Aleixo
Cinemas NOS Almada Forum
  • Fernando Manuel Ramos Soares
  • Maria Eunice da Cruz Aleixo Soares
  • João Gonçalo Vaz Oliveira
Cinemas NOS Cascais Shopping
  • Marta dos Reis Torgal André
  • Carlos Manuel Ramos Banza
  • Maria Fernanda Fiuza Barbeitos
  • Cláudia Barros Pebre Rodrigues
  • Valter Dinis Carvalho Caetano
Cinemas NOS Gaia Shopping
  • Sandra Patrícia Alves Couto
  • Ana Soraia Pereira Vasconcelos Freitas
  • Maria Emília Moreira Baptista Simões
  • Ana Catarina Pinto Costa
  • Nídia Sampaio Macedo

Os vencedores do passatempo serão contactados pela equipa do site com informação a respeito da antestreia.

PASSATEMPO: Antestreia de “BAYWATCH: MARÉS VIVAS” foi iniciado com o apoio da NOS Lusomundo Audiovisuais. Os vencedores foram selecionados de uma forma aleatória através do site RandomResult, depois de confirmado que cumpriram todos os requisitos necessários para a validação da sua participação no passatempo.

Publicado por: Juliana
Categorias: Baywatch, Filmes, Passatempos, Portugal
comentários
Página 1 de 5812...10...Fim »